Rita. Margem muito a sul do tejo. Onde tudo se passa mas nada acontece.

Uma suave dor apodera-se de mim

Nem tão suave assim
Por ser tão intensa
Verdadeira
Real.
Às vezes oiço
O som da tua risada,
Numa foto vislumbro
O encanto do teu sorriso
Que encharca os meus olhos
Que esmaga o meu coração…
A tua falta
Dói,
Mas a certeza da tua presença
Eterna e sublime
Conforta
Pai.”